Total de visualizações de página

Meus livros de Magia Astrológica no link

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Comida dos orixás! Cozinheira faz acarajé na França: 'Se Iansã não quisesse, já teria dado errado'

Mariele Góes segunrando um acarajé | Foto: Reprodução / Facebook


A culinária francesa, considerada uma das mais famosas do mundo, é conhecida por suas massas de pães, brioches e croissants. Em Paris, uma cozinheira dedica seu tempo a outro tipo de massa. Uma feita de feijão fradinho descascado, velha conhecida dos baianos. A baiana Mariele Góes tem feito na cozinha da sua casa o acarajé como conhecemos na Bahia. Os clientes, em sua maioria, são estrangeiros curiosos em provar a iguaria e brasileiros com saudade de casa. “Quando a gente mora fora sozinho nós percebemos como sentimos falta de certas coisas, como a comida”, diz a cozinheira, que produz cerca de 70 acarajés por vez, para venda direta, encomenda ou para degustação na sua residência. Conta a lenda africana que o acarajé foi um presente de Iansã para as mulheres que precisavam prover o próprio sustento. Mariele começou a cozinhar a iguaria sem acreditar muito que seria capaz de faze-la. “Eu achava que acarajé era impossível de se fazer em casa”. A baiana descobriu que estava equivocada, fez um restaurante improvisado em casa e hoje explica o que é alimento e a lenda que o envolve para quem prova. “Se Iansã não quisesse que eu vendesse acarajé, já teria dado errado. Já que estou fazendo, eu faço certo”, conta a baiana que respeita todos os rituais e a receita que envolvem a massa. “Uma vez me perguntaram o motivo de eu não botar coentro na massa do acarajé. ‘Rapaz, aí você se entende com Iansã’, foi o que respondi”, completa Mariele, que se preocupa em fazer até o famoso molhinho de pimenta que acompanha a comida exatamente igual ao dos tabuleiros. Para produzir acarajés na França, a cozinheira precisa de pelo menos 3 dias. O primeiro deles é apenas para a compra dos ingredientes nos bairros da capital francesa. De um lado para outro em Paris com as sacolas na mão, a baiana vai até lojas chinesas atrás da pimenta e do camarão. Vai a lojas africanas para comprar o dendê e ao bairro indiano para achar o feijão fradinho. “Dei uma sorte danada que encontrei uma loja que vende o feijão sem casca”, revela a cozinheira que já teve de descascar o feijão fradinho grão por grão para fazer a receita. Com um ingrediente vindo de cada lugar do mundo, a massa do acarajé francês fica miscigenado que nem nossa gente. Talvez essa semelhança é o que garante que a execução de Mariele seja bem avaliada. “Já me falaram que o acarajé que faço aqui é melhor que os que têm no Rio de Janeiro. Não sou baiana [de acarajé], mas nasci em Salvador. Não podia ser diferente”, conta a cozinheira rindo. Mariele nem sempre foi cozinheira. Antes de ir para a França estudar alta culinária, a baiana era jornalista e trabalhava na revista Veja - antes, ela também foi repórter do Bahia Notícias. “No final das contas as profissões são parecidas com o ritmo corrido, com a pressão e a adrenalina”, conta Góes, que está no país estrangeiro há 1 ano e fazendo acarajés há 4 meses. O custo grande dos cursos e algumas decepções fizeram ela desistir da alta culinária e ressignificar a gastronomia trabalhando em casa. O plano da cozinheira é de expandir a produção de acarajés, porém, hoje, a cozinha do apartamento comporta uma produção de 70 unidades por vez. Cada bolinho é vendido por Mariele por 8 euros. “O preço é menor que um lanche no MCDonald's e vem com bastante camarão e vatapá”. Além do acarajé, a cozinheira também prepara opções de sobremesa como um pudim de Tapioca vendido a 10 euros. Quem procura o acarajé na França precisa correr. Facilmente o quitute se esgota. “As pessoas já se articulam e encomendam o acarajé com antecedência”. 

O acarajé francês | Foto: Reprodução / Facebook
 por Lucas Arraz

domingo, 27 de agosto de 2017

Religião e espiritualidade: A fé move alucinações

TRANSE - Culto em igreja pentecostal nos EUA: experiências de devaneio podem se expressar individual ou coletivamente (Timothy Fadek/Corbis/Getty Images)

Estudo de psiquiatras americanos conclui que ter algum tipo de crença — religiosa ou não — costuma levar as pessoas a ouvir sons que não existem


A heroína francesa Joana D’Arc (1412-1431), líder de seu país durante a Guerra dos Cem Anos contra a Inglaterra e santa da Igreja Católica, dizia ouvir vozes — mais de uma vez por semana — que a guiavam em suas estratégias militares, invariavelmente ousadas. Para os fiéis, o fenômeno alimentaria sua íntima ligação com Deus, revelada ainda na infância. A ciência, no entanto, acaba de acenar com outra explicação para o fato. “Figuras históricas, como Joana D’Arc, talvez sofressem de alucinações, que, embora sejam comuns — em média, uma em cada vinte pessoas apresenta esse sintoma —, são associadas por alguns a experiências espirituais”, disse a VEJA o psiquiatra americano Philip Corlett, professor da Universidade Yale, nos Estados Unidos. Corlett coordenou um estudo, publicado no início deste mês, cujo objetivo era justamente provar como os seres humanos são suscetíveis a alucinações, ou seja, “percepções sem estímulos externos”, quando possuem alguma crença, qualquer crença. Na maioria das vezes de cunho religioso, mas nem sempre. Reportagem de VEJA analisa as conclusões do psiquiatra americano.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google+ Seguidores

Seguidores

Marcadores

orixás (261) magia (257) espiritualidade (181) astrologia (165) (156) amor (118) Umbanda (116) umbanda astrológica (104) sexo (98) CONCEITOS (96) signos (95) Umbanda-Astrologica (93) religião (82) mulher (77) previsões (71) exu (64) conceito (59) pesquisas (58) 2016 (56) anjos (56) carma (52) comportamento (52) signo (52) destino (51) pombagira (51) candomblé (50) astral (49) mediunidade (47) Cabala (45) rituais (43) UMBANDA ASTROLOGICA (41) Astrofísica (38) poder (37) CONCEITOS DE UMBANDA - ASTROLOGICA (33) Livro (30) ancestrais (30) arcanos (30) sucesso (30) espaço (28) fé religião (27) odus (26) oxumaré (26) pesquisa (26) busca (25) comprendendo o simbolismo (25) desejo (25) magia sexual (25) sorte (25) estudos (24) oxum (24) vida (24) Ogum (23) deus (23) PESQUSAS DE UMBANDA ASTROLOGICA (22) ifá (22) pombagiras (22) sexualidade (22) proteção (21) anjo (20) horóscopo (20) protetores (20) energia (19) magos (19) orixas (19) Umbanda-Astrologiaca (18) baralho (18) oxalá (18) Iansã (17) brasil (17) sagrado (17) 2014 (16) Caminhos da fé (16) INICIAÇÃO (16) Obaluaê (16) Saturno (16) UMBANDA ASTROLOGICA E MAGIA (16) astros (16) Comportamento na vida (15) Xangô (15) ano (15) atriz (15) axé (15) dinheiro (15) jesus (15) livro de umbanda astrológica (15) mapa astral (15) CONCEITOS DE UMBANDA (14) Lua (14) Omulú (14) carma sexual (14) oráculos (14) terra (14) Guias (13) Júpiter (13) linhas (13) magia negra (13) odús (13) paixão (13) vibrações (13) Yorimá (12) mapa astrológico (12) ritual (12) 12 signos (11) Marte (11) Orumilá-Ifá (11) caminhos (11) conhecimento (11) nova era (11) planeta (11) Estudo (10) OS SENHORES DO DESTINO (10) REENCARNAÇÃO (10) bem estar (10) ciclos (10) céu (10) história (10) numerologia (10) oração (10) Astrônomos (9) Horóscopo Chinês (9) OFERENDA (9) anjo da guarda (9) clavículas de Salomão (9) estrela (9) luz (9) poderes (9) umbanda-astrológica (9) vibração (9) 72 anjos (8) Caboclos (8) ciência (8) cães (8) homem (8) mestres (8) obsessão (8) oraculo (8) pemba (8) Astronomia (7) CATIMBÓ (7) Era de Aquário (7) Macaco de Fogo (7) busca espiritual (7) cientistas (7) cosmos (7) dons (7) missão (7) solidão (7) agente do carma (6) arcanjos (6) astrólogos (6) chacras (6) essência (6) Câncer (5) EXU GUARDIAO (5) Escorpião (5) Mitologia (5) amarração (5) esquerda (5) feitiço (5) misterios (5) Linha do Destino (4) advinhação (4) ebós (4) era de Aquario (4) macumba (4) mapa astrologico (2)